Rotinas de pré natal.

          O pré natal é uma etapa importantíssima da gestação. Além da paciente fazer vários exames e avaliações de rotina, também serve para fortalecer o vínculo dela com o médico assistente. Isto colabora para que ela tenha confiança nas orientações médicas e no profissional que realizará seu parto, normal ou cesariana.

      No sistema privado, em geral, a paciente tem a possibilidade de escolher o pré natalista e também quem irá acompanhar o parto. É importante que se estabeleça uma relação de confiança entre eles, que o médico respeite as escolhas da paciente, que a paciente acredite nas orientações médicas, confie e sinta-se cuidada pelo médico. A gestante PRECISA se sentir cuidada!

        Mesmo que você faça o pré natal pelo SUS, é importante que confie no médico ou enfermeira responsável pelas consultas (em geral elas são intercaladas por estes profissionais, de acordo com as necessidades da paciente). A gestante precisa se sentir segura durante as consultas, sentir-se à vontade para questionar e tirar dúvidas.

         Sempre que possível, é importante ir às consultas com um acompanhante, que pode ser o pai da criança, a avó, a dinda ou uma amiga. É bom para a paciente estar acompanhada e é bom para o médico que mais alguém da confiança da gestante ouça as orientações e divida as responsabilidades da gestação. Isso fortalece o vínculo e melhora a relação médico- paciente.

           Durante a consulta são feitas algumas rotinas básicas: avaliação da pressão arterial, medida da altura uterina, ausculta dos batimentos cardíacos e pesagem da paciente. Tudo isso ajuda o obstetra a controlar o bem estar materno e fetal.

          A altura uterina, por exemplo, nos dá uma ideia do desenvolvimento da gestação. Em geral ela é semelhante a idade gestacional. Em casos de uma altura uterina muito pequena podemos desconfiar de uma restrição de crescimento e, quando muito maior, podemos pensar em aumento do líquido amniótico.

         A pressão arterial é uma das maiores preocupações da gestante e também do médico. Seu aumento pode trazer complicações graves para a paciente e para o bebê. Elas precisam ser detectadas e controladas o quanto antes. Teremos um post sobre isso.

       Os batimentos cardíacos do bebê (BCF) são o “xodó” das consultas. Adoro ver a reação dos pais e familiares quando o “tamborzinho” começa a bater. Sem contar a emoção única de ouvi-los pela primeira vez. Também tem aqueles que gravam para ouvir em casa, no carro. BCF é tudo de bom, tranquiliza familiares, pacientes e, lógico, nós médicos. 

          Existe uma infinidade de exames laboratoriais (sangue e urina) e algumas ecografias que são rotinas de pré natal. Em geral eles são solicitados em 3 momentos, um em cada trimestre. Além disso, após as 36 semanas, é solicitada uma coleta de secreção para pesquisa de Streptococcus, importantíssima para definir a necessidade ou não de antibiótico no trabalho de partos. Lógico, sempre que houver necessidade novos exames são pedidos ou, em alguns casos, como no trabalho de parto prematuro, antecipam-se as coletas.

      As tão sonhadas ecografias que, segundo as pacientes, deveriam ser feitas diariamente, são importantíssimas e merecem um post específico. Por agora, vamos pensar que não precisa ecografia todos os dias. Só precisamos ter paciência para “sobreviver” sem sofrimento até que o bebê comece a se mexer e dê sinais de que está bem. Em geral, uma ecografia por trimestre está de bom tamanho e elas vão muito, mas muito além da descoberta do sexo.

           Não podemos esquecer das vacinas na gestação. Rotineiramente fazemos as 3 doses da hepatite B (0-1-6 meses), nas pacientes que ainda não tem, que pode ser aplicada tão logo for descoberta a gestação; a vacina tríplice bacteriana, difteria, tétano e coqueluche (DTPa), que pelo calendário do Ministério da Saúde está autorizada após as 20 semanas. Independente de quando a paciente fez a última dose, ela é refeita em todas as gestações; e a vacina da gripe, que pode ser aplicada em qualquer momento do pré natal. Uma dúvida comum é onde fazer as vacinas? Eu costumo indicar os Postos de Saúde. Temos um bom esquema de vacinas pelo SUS e um calendário bem completo.

      Mesmo sendo Obstetra, achei importantíssimo fazer um pré natal regular e não precisar me preocupar “tanto” com detalhes técnicos. Consegui ficar tão calma que nem sonar eu tinha em casa, para ouvir o coraçãozinho todos os dias. Queria MUITO ter um parto normal e a escolha do meu obstetra teve bastante a ver com isso. Optei por alguém que iria respeitar minhas escolhas sem deixar de lado minha segurança e a da Alice. No final tivemos um parto lindo, cheio de amor, num ambiente acolhedor, exatamente como sonhávamos. Meu obstetra teve tudo a ver com isso, sua paciência e cuidados permitiram que eu chegasse às 41 semanas me sentindo segura e confiante.

         Então, um pré natal bem feito faz toda a diferença. Durante as consultas a paciente e seus familiares têm oportunidade de esclarecer dúvidas, medos, ouvir a opinião de um especialista sobre vias de parto, complicações da gestação… hoje em dia “o Dr Google” tem resposta para todas as perguntas, mas a segurança materna e fetal não pode depender dele. Além disso todo mundo tem mil pitacos para a gestante, especialmente se esta for mãe de primeira viagem. É importante ter alguém de referência para conversar. Por isso, confiar no pré natalista faz toda a diferença. Sentir-se segura com ele é essencial.

 

     

Compartilhe
Compartilhe
Curtir
Please reload

Bem vindas!

Meu nome é Maria Fernanda, sou obstetra, mãe da Alice e aprendiz da maternidade. Sejam todos bem vindos ao meu blog!

 

Em 2015 eu vivi uma experiência incrível com a minha gestação. Estando do outro lado da cortina, pude entender melhor algumas dúvidas comuns entre as pacientes. Com isso, surgiu a ideia de fazer um blog. Através dele vou tentar fornecer informações que possibilitem uma gestação mais tranquila. Abordarei semanalmente assuntos baseados nas dúvidas do meu dia a dia no consultório e na minha vivência como gestante, puérpera e mãe. Recentemente eu decidi fazer postagens também com relatos de parto, para dividir as experiências vividas pelas mamães, contadas por elas.

Não esqueçam de deixar um comentário sobre o que acharam do blog, dúvidas ou sugestões para os próximos posts. Se acharem que as informações são úteis, compartilhem e sigam nossas páginas no instagram (@blogacaminho) e facebook (fb.com/blogacaminho).

 

Obrigada pela visita!

Compartilhe:
  • Facebook Social Icon
  • Google+ Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Pinterest Social Icon
Mais lidos:

Complicar não significa OPERAR!

05/02/2020

1/5
Please reload

Tags: