Drogas na Gestação!

           Talvez esse tema pareça bobo para muitas pessoas, porém eu ainda ouço a clássica pergunta - “pode beber na gestação?” - a resposta é tão óbvia que as vezes eu fico irritada, mas ela nos diz muita coisa. Beber ou usar drogas na gestação, não esqueçam de incluir cigarro neste pacote, pode causar sérias complicações para o bebê. Esse assunto não pode ser levado na brincadeira. Vocês não podem esconder do pré natalista o fato de beber, fumar ou usar drogas. Não estamos ali para julgar ninguém, mas sim para ajudá-las com uma gestação o mais saudável possível, para a mãe e para o bebê.

          Quando eu pergunto para uma paciente, grávida ou não, se ela usa drogas, algumas ficam ofendidas, até bravas, mas quando começo a dar exemplo destas drogas, incluindo álcool e cigarro na lista, muitas delas fazem uso sim, mesmo que esporadicamente. O maior problema são as ditas “drogas lícitas”, muito mais comuns, mais acessíveis e muito, mas muito mais incorporadas ao dia a dia da sociedade como “normais”.

           Podem me chamar de careta, sem graça, o que for, mas uma das coisas que mais me chocam no dia a dia é encontrar adolescentes tabagistas. Mesmo não sendo bom e fazendo tão mal quanto, acho mais normal, ou menos pior, uma pessoa mais velha fumando. Calma, eu explico.

        Não estamos tão longe da época em que o cigarro dominava as propagandas de televisão, os anúncios de rádio e os melhores out doors das cidades. Era comum pai e mãe fumarem, os avós fumarem, os ídolos fumarem. Na contra mão de tudo isso vem a minha geração (que já não é das mais novas) e cresceu num mundo totalmente contra o cigarro, com milhões de propagandas sobre os seus malefícios, que sofre as consequências de anos de tabagismo, perdendo familiares, ídolos, amigos, com os tumores decorrentes deste vício perverso.

       Imaginem se eu fico chocada vendo adolescentes fumantes, quando entra uma gestante tabagista no consultório eu saio da casinha, quase que literalmente. Juro que eu melhorei muito desde a época da residência, sou mais tolerante, mas ainda fico furiosa quando preciso pedir, repetir mensalmente que cigarro e gestação DEFINITIVAMENTE NÃO COMBINAM, tão pouco álcool e gestação. Outras drogas então, de jeito nenhum.

         O cigarro é o fator de risco modificável, com maiores consequências para a gestação. Pensando ainda na paciente não grávida, o tabagismo aumenta o risco de infertilidade. Quando a gestação já está instalada, fumar aumenta o risco de aborto espontâneo, gestação ectópica, descolamento de placenta, rotura prematura de membranas, trabalho de parto prematuro e placenta prévia. Isso sem contar as consequências para o feto, dentro do útero e após nascimento. Há um risco muito maior de bebês com baixo peso e a vasoconstrição causada pelo cigarro por gerar uma série de malformações. No pós parto, há um risco maior de problemas respiratórios e também alterações de desenvolvimento.

         Quanto ao álcool, embora não sejam comuns as etilistas pesadas, seu uso na gestação ainda acontece e não podemos, mesmo que esporadicamente, beber enquanto estamos grávidas. Tendo em vista que não há consenso se existe uma dose mínima para o uso de bebidas alcoólicas na gestação, a recomendação é abstinência total. A síndrome alcoólica fetal compreende uma série de alterações físicas, mentais, comportamentais e cognitivas que podem acometer bebês expostos ao consumo de álcool na gestação.

          Acho fundamental conversar sobre o consumo de álcool e cigarro durante o pré natal. As outras drogas, embora tão deletérias quanto, são menos comuns no dia a dia de consultório. Salvo raríssimas exceções nas quais a intervenção do pré natalistas já é suficiente, pacientes adictas em drogas pesadas como cocaína, maconha e craque, por exemplo, em geral precisam de uma intervenção multidisciplinar com internação em clínicas específicas para melhor manejo da gestação.

          Detalhe importante, o tabagismo passivo também pode acarretar prejuízos para a gestante e para o bebê. A família toda precisa respeitar esse momento, não fumar em ambiente fechado, mesmo na ausência da gestante, não fumar no carro, manter a casa arejada. Sem contar que futuros papais tabagistas também podem enfrentar problemas para gestar decorrentes dos efeitos deletérios do cigarros sobre a produção de espermatozoides.

        Então, respondendo, de novo, a pergunta, que não é idiota: não, não pode beber na gestação. Assim como não pode fumar ou usar outras drogas. Em geral, as pacientes não tomam medicação sem orientação médica, por medo de causar algum dano para o bebê, precisamos convencê-las que fumar, beber, ou usar drogas, faz um efeito tão ruim quanto, ou pior, que as medicações em geral.

Compartilhe
Compartilhe
Curtir
Please reload

Bem vindas!

Meu nome é Maria Fernanda, sou obstetra, mãe da Alice e aprendiz da maternidade. Sejam todos bem vindos ao meu blog!

 

Em 2015 eu vivi uma experiência incrível com a minha gestação. Estando do outro lado da cortina, pude entender melhor algumas dúvidas comuns entre as pacientes. Com isso, surgiu a ideia de fazer um blog. Através dele vou tentar fornecer informações que possibilitem uma gestação mais tranquila. Abordarei semanalmente assuntos baseados nas dúvidas do meu dia a dia no consultório e na minha vivência como gestante, puérpera e mãe. Recentemente eu decidi fazer postagens também com relatos de parto, para dividir as experiências vividas pelas mamães, contadas por elas.

Não esqueçam de deixar um comentário sobre o que acharam do blog, dúvidas ou sugestões para os próximos posts. Se acharem que as informações são úteis, compartilhem e sigam nossas páginas no instagram (@blogacaminho) e facebook (fb.com/blogacaminho).

 

Obrigada pela visita!

Compartilhe:
  • Facebook Social Icon
  • Google+ Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Pinterest Social Icon
Mais lidos:

Laqueadura!

03/11/2019

1/5
Please reload

Tags: