Eu fiz cesariana!

     Eu falo muito e defendo muito o parto normal. Acho importante tentar, acredito que ele seja a melhor via para nascer, porém precisamos conversar sobre cesariana. Algumas pacientes estão dando depoimentos muitos “tristes”, às vezes até deprimidas, envergonhadas, pelo parto não ter sido normal. Eu faço apologia ao parto? Faço sim, mas não quer dizer que a cesariana não seja importante, não tenha seu espaço. Mais do que isso, jamais se sinta mal por ter feito cesariana. Mesmo que tenha sido uma escolha.

   Nunca esqueçam que existe uma série de indicações obstétricas e existe uma indicação que precisa ser respeitada: DESEJO MATERNO. “Eu não quero parto, ponto. É um direito meu”. Faz parte do meu ser tentar orientar as pacientes e fazê-las mudar de ideia, fazer com que ela entre em trabalho de parto, até para ela ver qual é a das contrações, mas isso não quer dizer que eu não faça cesariana eletiva. Faço sim, não tenho nenhum problema com isso. Inclusive, acredito que cesariana eletiva também faz parte da Humanização do Parto, pois significa respeitar a gestante.

     Lógico que eu não incentivo a cesariana eletiva. Gosto quando as pacientes topam entrar em trabalho de parto, ou pelo menos chegar até as 40 semanas. Até porque, se vocês fizerem uma pesquisa rápida, encontram uma série de colegas que preferem cesariana e poucos que preferem o parto. Infelizmente somos a minoria. Eu dou prioridade para as pacientes que têm a mesma linha de pensamento que eu, que desejam um parto normal.

      No entanto, aquelas que querem parto ou que tentam parto não são mais corajosas ou mais mães do que aquelas que fizeram cesariana. Pelo amor de Deus, se em algum post eu deixei passar essa ideia, perdoem-me. Todas vocês, independente da via de parto, merecem todo o nosso respeito.

    O que motivou este meu texto foram aquelas cesarianas indicadas por alguma urgência, ou então depois de um longo período de trabalho de parto sem evolução adequada. Estas são cesarianas “necessárias”. Precisamos saber a hora de mudar a via, ou então, quando já esgotamos todas as nossas opções e precisamos apelar para um plano B, C ou D.

     Tenho visto muitos depoimentos de pacientes que ficam deprimidas, sofrem, sentem-se mal por terem feito cesariana, não as eletiva, mas as com indicação obstétrica. Em geral estas mulheres queriam muito o parto, tentaram muito e não deu certo, ou então desistiram no transcorrer do processo e isso deixa elas frustradas. Não fiquem, acontece, é normal. Vocês são mães tanto quanto as outras, tão guerreiras quanto.

    Talvez as que mais se frustram são as que ficam horas em trabalho de parto e o processo não evolui - Desproporção Céfalo Pélvica (DCP) - não vai passar, não tem o que fazer. Eu sei que muitos usam DCP como desculpa, mas ela é uma indicação de cesariana. Não se frustre quando acontece, você tentou. Não é momento de ficar triste, aproveite a chegada do bebê.

     Por favor mamães, vou encher o saco de vocês para convencê-las a tentar um parto, especialmente se for a primeira gestação, mas não vou obrigá-las a fazer isso. Muito menos colocar em risco a vida da mãe ou do bebê em prol de um parto normal. Lembrem-se, não existe parto a qualquer custo.

    Temos uma série de indicações claras de cesarianas e um monte de outras que podem acontecer no decorrer da gestação, ou mesmo durante o trabalho de parto. Não podemos colocar o desejo da gestante por um parto normal acima da sua segurança e da segurança do bebê.

     Na imensa maioria da vezes os trabalhos de parto acabam evoluindo para um parto normal, mais ou menos demorado, com ou sem necessidade de intervenção, com variações de posição para favorecer a chegada do bebê, mas sempre nascendo por via baixa. Porém, algumas vezes não dá certo.

    Por uma série de motivos que são complicados de prever antes de tentarmos, o trabalho de parto pode virar uma cesariana de emergência. Isso é indicação obstétrica, faz parte do jogo. Então, mesmo que vocês se frustrem, que fiquem com a sensação de que “o trabalho não valeu a pena”, valeu sim, muito. Não deixem de tentar. Mesmo que a cesariana seja necessária, entrar em trabalho de parto é importante, o corpo da mãe e o bebê se preparam para nascer.

Compartilhe
Compartilhe
Curtir
Please reload

Bem vindas!

Meu nome é Maria Fernanda, sou obstetra, mãe da Alice e aprendiz da maternidade. Sejam todos bem vindos ao meu blog!

 

Em 2015 eu vivi uma experiência incrível com a minha gestação. Estando do outro lado da cortina, pude entender melhor algumas dúvidas comuns entre as pacientes. Com isso, surgiu a ideia de fazer um blog. Através dele vou tentar fornecer informações que possibilitem uma gestação mais tranquila. Abordarei semanalmente assuntos baseados nas dúvidas do meu dia a dia no consultório e na minha vivência como gestante, puérpera e mãe. Recentemente eu decidi fazer postagens também com relatos de parto, para dividir as experiências vividas pelas mamães, contadas por elas.

Não esqueçam de deixar um comentário sobre o que acharam do blog, dúvidas ou sugestões para os próximos posts. Se acharem que as informações são úteis, compartilhem e sigam nossas páginas no instagram (@blogacaminho) e facebook (fb.com/blogacaminho).

 

Obrigada pela visita!

Compartilhe:
  • Facebook Social Icon
  • Google+ Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Pinterest Social Icon
Mais lidos:

Movimentação Fetal!

16/09/2020

1/5
Please reload

Tags:
Please reload

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now