Soluções Mágicas!

       Já sei que vou “apanhar” bastante com este texto, mas tudo bem. Acho que precisamos falar sobre temas delicados, colocar “pulgas atrás da orelha” também faz parte.

       Nossa vida, cada vez mais corrida, faz com que alguns problemas pareçam ter “soluções mágicas”. Somos convencidas, facilmente, a encarar o jeito “mais fácil” de resolver situações que geram desconforto físico e, principalmente, emocional. Estamos sem tempo para investir em saúde, exercício físico, cuidados com o corpo e, principalmente, cuidados com a mente.

        Outro dia eu vi uma postagem da minha Nutri sobre valores. É exatamente assim. Achamos caro pagar a mensalidade da academia, mas a churrascada do domingo é garantida; não temos tempo para fazer terapia, mas ficamos horas no celular; não investimos no aprimoramento profissional, mas compramos o celular da moda. Nada contra, cada um com as suas prioridades, mas talvez esteja na hora de priorizarmos os cuidados do corpo e da mente. 

       Um exemplo disso são as cirurgias plásticas. Parece muito mais simples fazer uma lipo ou uma abdominoplastia a comer bem e fazer exercício. A curto prazo até pode ajudar, mas não vai funcionar a longo prazo. Acho que está mais do que na hora de cair por terra a “lei do menor esforço”. Não estou julgando ou criticando quem faz cirurgias plásticas. Elas, muitas vezes, são necessárias e cada um sabe onde o sapato aperta, mas precisamos aceitar que nem todo mundo vai ser Gisele.

        Trazendo para o meu dia a dia ... quando pergunto para as pacientes porque elas escolheram ou escolhem fazer uma cesariana, na imensa maioria das vezes, a resposta tem a ver com a praticidade do processo, a possibilidade de ter controle de horário, organização pessoal e familiar e também por “não sentir dor” - que fique bem claro, abrir a barriga também dói, não temos zipper. Ou então, porque meu médico disse que seria melhor (falarei sobre isso num próximo post).

        Cesariana é a solução mágica que resolve todos os problemas da gestação. Você pára de sentir dores nas costas, no baixo ventre, nas pernas, pára de ficar inchada, a barriga vai embora e, melhor de tudo, você não precisa passar pelas dores do parto. Tem coisa melhor e mais útil do que isso? Seria um milagre da medicina? Não é bem assim.

      A cesariana foi feita para casos de exceção. Esse bum de cesarianas eletivas, por conveniência do médico, da paciente ou da família, não é normal e precisa ser contido. Até porque, cirurgia tem riscos, barriga não tem zipper. Abriu tem que fechar e isso também gera desconforto no pós operatório.

         Não existe um jeito fácil de ter filhos. Quando você decide ser mãe precisa estar preparada para as mudanças que virão e nem todas serão fáceis ou indolores. Já começa na gestação, que muda nosso corpo, nossos hormônios e nosso humor. Nem todo mundo curte aquele barrigão.

       Eu, por exemplo, achei super legal estar grávida, não tenho nenhum trauma do parto, porém aquela saudade que as pacientes dizem sentir da barriga eu não tenho. Sempre achei que a barriga limitou muito o meu dia a dia a minha “independência”. Foi muito complicado aceitar que precisava reduzir o meu ritmo, aceitar meus limites.

        A amamentação também foi bastante complicada pra mim e, acredito eu, seja difícil para a maioria das pacientes. Independente da quantidade de leite que elas produzem, o início é bem complicado. Quem tem muito leite acaba sofrendo com as mamas cheias, ou então “empedradas”. Quando a produção é, supostamente, pouca, você não consegue ficar tranquila, não sabe se o bebê está mamando o suficiente. Amamentar exige muita paciência e muita persistência.

        Surge aí outra solução mágica, a fórmula. Tudo bem, alguns bebês não mamam direito, algumas mães não produzem leite o suficiente, mas a maioria das situações tem mais a ver com persistência e paciência e não com insuficiência. No dia a dia de consultório eu percebo que as pacientes acabam sendo levadas a usar fórmula porque é, de fato, muito mais fácil do que passar algumas horas, às vezes dias, tentando adaptar a pega, os horários e a rotinas de amamentação.

       Maternidade é doação, precisamos retomar esse conceito. Amamentar é importante para o vínculo entre a mãe e o bebê e, principalmente, para o desenvolvimento deste bebê.

       Independente da via de parto que você escolher, será um processo que envolve muita paciência, que exige tempo, determinação, que vai doer, mais ou menos, antes ou depois. O trabalho de parto não é fácil, de maneira nenhuma, mas não é insuportável.

         Eu super entendo que seja desconfortável estar grávida, com 40 semanas, esperando o universo conspirar a seu favor, mas a cesariana nem sempre é a solução. Aliás, na maioria das vezes ela não deveria ser. Precisamos perder mais tempo conversando com as pacientes, pontuando prós e contras de um parto normal e de uma cesariana.  Precisamos parar de achar soluções mágicas.

 

Compartilhe
Compartilhe
Curtir
Please reload

Bem vindas!

Meu nome é Maria Fernanda, sou obstetra, mãe da Alice e aprendiz da maternidade. Sejam todos bem vindos ao meu blog!

 

Em 2015 eu vivi uma experiência incrível com a minha gestação. Estando do outro lado da cortina, pude entender melhor algumas dúvidas comuns entre as pacientes. Com isso, surgiu a ideia de fazer um blog. Através dele vou tentar fornecer informações que possibilitem uma gestação mais tranquila. Abordarei semanalmente assuntos baseados nas dúvidas do meu dia a dia no consultório e na minha vivência como gestante, puérpera e mãe. Recentemente eu decidi fazer postagens também com relatos de parto, para dividir as experiências vividas pelas mamães, contadas por elas.

Não esqueçam de deixar um comentário sobre o que acharam do blog, dúvidas ou sugestões para os próximos posts. Se acharem que as informações são úteis, compartilhem e sigam nossas páginas no instagram (@blogacaminho) e facebook (fb.com/blogacaminho).

 

Obrigada pela visita!

Compartilhe:
  • Facebook Social Icon
  • Google+ Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Pinterest Social Icon
Mais lidos:

Complicar não significa OPERAR!

05/02/2020

1/5
Please reload

Tags: