Relato de parto: Michelle Wesely


Relatos de parto

Nosso primeiro filho, João Basílio, nasceu de um lindo parto normal na água na Cidade do México onde moramos por oito anos. Ano passado resolvemos voltar para o nosso país e a segunda gravidez ocorreu juntamente com a mudança.


Não foi fácil mudar de país com uma criança de três anos e com a gestação já em 20 semanas sem ter um médico aqui no Brasil para me acompanhar. Assim que cheguei comecei a pesquisar médicos “humanizados” aqui em Porto Alegre, não achei muitos e os poucos que encontrei não aceitavam grávidas depois de 20 semanas e muito menos com data prevista para o parto em janeiro.


Foi então que encontrei o Blog a Caminho e conheci a Dra Maria Fernanda. Li vários textos achei que além de profissional ela era direta e verdadeira, que o parto normal seria sempre a primeira escolha (respeitando sempre a gestante) e se fosse necessário a cesárea seria bem-vinda. Enviei uma mensagem e ela que me respondeu no mesmo dia dizendo que me atenderia e recomendando que o Hospital Divina Providência seria o local ideal para o parto humanizado que eu estava buscando. Com isso meu coração se tranquilizou pois havia encontrado a pessoa ideal para me ajudar a trazer a minha filha ao mundo.


Apesar de toda a mudança e a tensão antes de encontrar a Dra. Maria Fernanda, a gravidez ocorreu tranquilamente, sempre fiz pensamentos positivos para que tudo ocorresse da melhor forma. Quando completei 38 semanas e 3 dias senti que as contrações estavam iniciando, começaram na tarde do dia 16/01 e à noite enviei uma mensagem para a Dra que me pediu para ir até o hospital para fazer uma avaliação. Chegando lá, o médico me examinou e disse que era um falso trabalho de parto pois as contrações não estavam ritmadas e eu não tinha nada de dilatação. Embora não convencida do falso trabalho de parto, voltei para casa para tentar descansar, mas não pude porque no meio da noite as dores aumentaram e as contrações ficaram ritmadas a cada 5 minutos. Por volta das 7 da manhã, as contrações já estavam a cada dois minutos, foi quando meu marido mandou uma mensagem para a Dra que nos pediu para ir a caminho do hospital.


Chegamos quase juntos com a Dra Maria Fernanda no hospital, as contrações não paravam e eu sentia muita dor. Não lembrava do parto anterior, mas tinha a certeza que a dor desse era pior. Como na noite anterior saímos do hospital com um falso trabalho de parto e sem dilatação nenhuma, minha preocupação era de seguir sem dilatação com tamanha dor. Fui examinada Dra que logo sorriu informando já estava com 8 de dilatação, para nossa surpresa e certo alívio, já era quase a hora.


Nesse momento as contrações a cada 1 ou 2 minutos já eram bem mais fortes ainda, a melhor forma que encontrei de aliviar a dor era colocando as minhas mãos nas costas e caminhando de um lado para o outro, bem diferente do meu primeiro parto onde me aliviava somente com a água quente do chuveiro.


Logo depois de ir para a sala de parto, chegou a anestesista, um encanto de pessoa. Ela me explicou como faria a anestesia, que isso aliviaria muito a minha dor e o que eu iria sentir exatamente a cada dose da anestesia. Quando ela aplicou a anestesia juro que quase a beijei de tanto alívio. De fato a anestesia não atrapalha em nada o trabalho de parto e eu continuava sentindo o momento que vinham as contrações (meu primeiro parto foi sem anestesia, mas achei essa experiência com anestesia bem melhor).


A Dra Maria Fernanda me abraçou para a aplicação da última dose de anestesia, meu marido segurou minhas mãos e ela disse que já era a hora. As luzes já estavam baixas, havia poucas pessoas na sala, o clima era de paz e muito amor.


.A Dra. Maria Fernanda pediu auxílio para me colocar na melhor posição para o empurre, assim logo depois de uns três ou quatro empurrões bem fortes e longos, chegava ao mundo nossa menina milagre.


Valentina nasceu e veio direto para meus braços. Senti aquele cheirinho de bebê recém-nascido que é inesquecível, o cordão parou de pulsar e a Dra me pediu para cortá-lo finalizando seus procedimentos. A emoção tomou conta de nossos corações, meu marido chorava de alegria, todos saíram da sala para nos deixar a sós com nossa pequena durante sua primeira hora de vida, e ali curtimos cada momento mágico antes da enfermeira chegar para levá-la para o primeiro banho e medidas.


Nossa filha veio ao mundo no meio de muito amor, por isso eu só posso agradecer a Deus por ter colocado profissionais tão competentes e com o maior respeito pelo momento mais especial de nossas vidas. Obrigada!


Bem vindas!

Meu nome é Maria Fernanda, sou obstetra, mãe da Alice e aprendiz da maternidade. Sejam todos bem vindos ao meu blog!

 

Em 2015 eu vivi uma experiência incrível com a minha gestação. Estando do outro lado da cortina, pude entender melhor algumas dúvidas comuns entre as pacientes. Com isso, surgiu a ideia de fazer um blog. Através dele vou tentar fornecer informações que possibilitem uma gestação mais tranquila. Abordarei semanalmente assuntos baseados nas dúvidas do meu dia a dia no consultório e na minha vivência como gestante, puérpera e mãe. Recentemente eu decidi fazer postagens também com relatos de parto, para dividir as experiências vividas pelas mamães, contadas por elas.

Não esqueçam de deixar um comentário sobre o que acharam do blog, dúvidas ou sugestões para os próximos posts. Se acharem que as informações são úteis, compartilhem e sigam nossas páginas no instagram (@blogacaminho) e facebook (fb.com/blogacaminho).

 

Obrigada pela visita!

Compartilhe:
  • Facebook Social Icon
  • Google+ Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Pinterest Social Icon
Mais lidos:
Tags: