Dicas do Blog!

      A pedido de uma seguidora do blog, hoje vou falar sobre uma inserção anormal da placenta, conhecida como placenta prévia (PP) ou, no popular, placenta baixa. Essa alteração ocorre quando a placenta está inserida muito próximo ou recobrindo o orifício cervical interno do colo uterino.

      Grande parte das PP, diagnosticadas em ultrassom de rotina antes das 20 terá resolução espontânea (90%). Isso acontece porque a placenta acaba “subindo” conforme o útero vai crescendo aos longos das primeiras semanas de gestação e, com isso, se afasta do orifício cervical interno do colo uterino.

     O diagnóstico se dá, na maioria dos casos, em ecografia de rotina. No dia a dia, devemos suspeitar deste achado em paciente com mais de 20 semanas, com sangramento vaginal. Sempre lembrando que a clínica não define o diagnóstico, só a ecografia.

     Os fatores de risco mais comuns são: placenta prévia em gestações anteriores; cesariana anterior (o risco aumenta potencialmente com múltiplas cesarianas); e gestação múltipla (gemelar). A recorrência ocorre em 4 a 8% das gestações.

    Quanto mais avançada a gestação, maiores as chances desse diagnóstico permanecer até o nascimento. O sangramento vaginal é o sintoma mais comum em gestações de segundo trimestre. Sendo importante orientar as pacientes sobre isso nas consultas de pré natal.

   Em paciente com diagnóstico de PP, é importante evitar toques vaginais desnecessários, recomendar que não se tenha relação sexual, mesmo que sem penetração, evitar esforço físico excessivo, grandes caminhadas ou períodos prolongado em pé. Em caso de sangramento é imprescindível fazer uma avaliação em emergência obstétrica. 

      Quando temos o diagnóstico confirmado, é importante fazer corticoide na mãe, para maturação pulmonar do bebê. Essa medicação é feita quando se tem previsão de cesariana, em paciente sintomáticas, ou então naquelas com cesariana programada, mesmo quando assintomáticas.

        A cesariana é a via de parto de preferência quando há diagnóstico de PP. Em geral programada para as 37 semanas naquelas pacientes assintomáticas. Quando há sangramento excessivo, alguma alteração hemodinâmica materna ou de bem estar fetal, fazemos uma cesariana de emergência.

       É importante tomar alguns cuidados relacionados a possíveis sangramento durante a cesariana. Um centro obstétrico bem equipado, hospital com UTI adulta e pediátrica e banco de sangue são alguns pré requisitos.

Compartilhe
Compartilhe
Curtir
Please reload

Bem vindas!

Meu nome é Maria Fernanda, sou obstetra, mãe da Alice e aprendiz da maternidade. Sejam todos bem vindos ao meu blog!

 

Em 2015 eu vivi uma experiência incrível com a minha gestação. Estando do outro lado da cortina, pude entender melhor algumas dúvidas comuns entre as pacientes. Com isso, surgiu a ideia de fazer um blog. Através dele vou tentar fornecer informações que possibilitem uma gestação mais tranquila. Abordarei semanalmente assuntos baseados nas dúvidas do meu dia a dia no consultório e na minha vivência como gestante, puérpera e mãe. Recentemente eu decidi fazer postagens também com relatos de parto, para dividir as experiências vividas pelas mamães, contadas por elas.

Não esqueçam de deixar um comentário sobre o que acharam do blog, dúvidas ou sugestões para os próximos posts. Se acharem que as informações são úteis, compartilhem e sigam nossas páginas no instagram (@blogacaminho) e facebook (fb.com/blogacaminho).

 

Obrigada pela visita!

Compartilhe:
  • Facebook Social Icon
  • Google+ Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Pinterest Social Icon
Mais lidos:

Movimentação Fetal!

16/09/2020

1/5
Please reload

Tags:
Please reload

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now